2 de outubro de 2008

Viva o Sexo Oral

“Não consigo entender homem que não gosta de fazer sexo oral na mulher. É um pouco como não gostar de chocolate, de sorvete ou de pizza. Conversar bem de pertinho com a xoxota (não me leve a mal, é um termo querido e carinhoso) da mulher amada é um desses prazeres absolutos que deveriam pairar acima das diferenças de gosto individuais, entrar no currículo de todas as escolas de ensino médio, constar na Constituição dos países como um direito inalienável – e, ao mesmo tempo, um dever cívico – de qualquer cidadão que se dê ao respeito.

A única explicação que encontro para a inapetência bucal de alguns homens – minhas condolências para o namorado ou marido que pertencem a essa estirpe – é que, no fundo, eles não gostam de mulher. São homens que se dizem heterossexuais e românticos, mas não amam de verdade o delicado e poderoso universo feminino. São sujeitos metidos a machões que no fundo gostam mesmo é de pêlos, músculos e testosterona. Se fossem romanos, viveriam nas termas com seus colegas centuriões, caçoando das mulheres, cercados de jovens mancebos seminus.

Acredito que homens assim costumam considerar as mulheres seres inferiores. Têm nojo de vagina. Sentem asco das umidades, das reentrâncias, das texturas, das sensacionais fragrâncias do corpo feminino. E enxergam submissão no ato de colocar a boca na genitália alheia. Por isso adoram ganhar sexo oral, mas dariam um testículo para não retribuir de jeito algum. E não raro fazem questão de ganhar o seu em pé, obrigando a mulher a se prostrar de joelhos à sua frente. Gozam mais com essa falsa sensação de poder e dominação do que com qualquer outra coisa. Um desbalanço, uma injustiça e um contra-senso contra os quais esta coluna se insurge indignadamente.

Eu sei, muitas mulheres, mesmo as modernas e independentes, ainda não se sentem completamente à vontade na hora de receber esse carinho. Aliás, de tão tensas, apreensivas e constrangidas, mal conseguem relaxar, curtir e sentir prazer. É o seu caso? Vamos lá... Você tem muito a ganhar perdendo a vergonha, sabia? Pare de achar que suas fendas, orifícios, curvas, retas e mucosas não são um bom lugar para um sujeito passear com sua língua. Eles são o paraíso! Posso garantir isso a você.

Não há nada mais encantador e saboroso, para o homem que sabe o que quer, do que a vulva, o clitóris, os aromas hormonais, a greta rósea, os pelinhos perfumados e sedosos. Afundar os lábios, o nariz, o queixo, o rosto inteiro nesses desvãos e esconderijos é a expressão máxima da excitação masculina, da doce entrega de um homem aos mil prazeres que só uma mulher pode proporcionar.

Poucas sensações no mundo são tão boas quanto baixar a calcinha da namorada, acredite. Sentir o cheiro quente e o toque macio daquelas carnes túrgidas e privadas, da intimidade alheia se abrindo inteira para você. Beijar com vagar e volúpia os pequenos e grandes lábios, carnudos, reluzentes, intumescidos. Lambuzar-se por inteiro nos líquidos cristalinos que só um gineceu pronto para o acasalamento sabe produzir – e sorver o seu gosto ímpar, raro, inesquecível.

Sexo oral é sofisticação do paladar, iguaria gastronômica, refinamento do olfato e de todos os sentidos. Sexo oral é quitute, é biju, é bouquet, é comida fina – não pode ser um tabu. Sexo oral é coisa de quem sabe viver. De quem é feliz e gosta de fazer feliz. Sexo oral é bom de ganhar e muito melhor de fazer. O homem que não souber disso não merece o chope que bebe. E não merece você."

Texto de Adriano Silva, jornalista e um profundo admirador do universo feminino. Retirado de uma Revista Nova bem velha.

1 estressados(as):

Carol, pros íntimos. disse...

Assim que iniciei a leitura do texto, sabia que já tinha visto em algum lugar...
Acho que foi em algum consultório, entre outras revistas mais antigas.
Lembro de ter achado o máximo e tinha guardado cada palavra.
Muito bom reler. Vou repassar pra um certo alguém que conheço ;)
Beijinhos querida

Carol